Você gostaria de fazer do português o idioma padrão deste site?
2009-03-27

Apreensão de efedrina causa consternação no Chile

Carlos Orías B.

A apreensão de uma tonelada de efedrina com destino ao México, onde os cartéis do tráfico a usam para produzir drogas de grife, alarmou o governo do Chile. O ministro do Interior, Patrício Rosende, convocou os grandes laboratórios médicos chile

TAMANHO DO TEXTO
Em duas incursões no dia 23 de março, detetives da Polícia de Investigações do Chile (PDI) apreenderam mais de mil quilos de efedrina, um produto químico usado para fabricar \"drogas de grife\".

Em duas incursões no dia 23 de março, detetives da Polícia de Investigações do Chile (PDI) apreenderam mais de mil quilos de efedrina, um produto químico usado para fabricar \"drogas de grife\".

SANTIAGO, Chile ― O governo chileno e os principais laboratórios do país concordaram em trabalhar juntos para verificar de perto o processo de importação e distribuição de efedrina. Conforme El Mercurio, o ministro do Interior, Patrício Rosende, teve uma reunião com os laboratórios no Palácio da Moeda após a apreensão de mais de mil quilos de efedrina em duas incursões policiais realizadas em Valparaíso e Santiago no dia 23 de março.

A carga apreendida no porto de Valparaíso tinha como destino o México. Vamos conferir as importações para que as quantidades de efedrina que entram no Chile sejam somente as necessárias para produzir medicamentos, disse Rosende.

A indústria farmacêutica usa estes ingredientes ativos para propósitos terapêuticos e são estritamente regulados pelo Instituto de Saúde Pública, a vice-presidente da Associação de Laboratórios Farmacêuticos do Chile, Maria Angélica Sanchez, disse a El Mercurio. É nosso dever relatar as importações que são desviadas da nossa indústria, explicou.

A efedrina apreendida na segunda incursão foi encontrada em um laboratório de produtos naturais em Santiago. Seis chilenos foram presos pela Polícia de Investigações do Chile (PDI) durante a Operação Cristal e a Promotoria Metropolitana Oeste começou a investigar três empresas com possíveis vínculos com a carga apreendida.

As investigações da Operação Cristal começaram em novembro de 2008, quando 100 kg de efedrina descobertos no México foram identificados como provenientes do Chile. Depois veio a detecção de duas cargas menores aparentemente mandadas pelo Postrack, um serviço chileno de entregas.

Segundo a Radio Cooperativa, a efedrina foi importada da Índia por uma empresa multinacional com sede no Chile. O Postrack depois fez a entrega aos laboratórios Biotonic e Arama, cujas estatísticas de produção não correspondem às quantidades de efedrina recebidas.

La Tercera noticiou que o Ministério do Interior do Chile ficara sabendo por meio da DEA, agência americana de combate às drogas, que a carga poderia valer até US$ 13,2 milhões no México, onde os cartéis do tráfico a usam para fabricar metanfetamina.

O diretor geral da PDI, Arturo Herrera, descartou qualquer conexão com o México, mas os registros da DEA mostram que os cartéis mexicanos recebem efedrina de países sul-americanos desde pelo menos 2008.

Você gostou desta reportagem?

0Rating_no

Incluir seu comentário

1 Comentário

  1. Rosemarie Eggins 08/23/2013

    Eu tomei minhas pílulas de emagrecimento, apenas uma e tive quatro convulsões, que duraram três minutos cada, fui levada ao hospital, e agora estou em casa descansando, fiquei muito assustada. Esses comprimidos são muito perigosos. Deveriam ser proibidos. Sou uma mulher de 55 anos e normal, em muito boa forma e bem, mas essas pílulas à base de efedrina levaram minha pressão às alturas. Por favor, publiquem minha descoberta para alertar outras pessoas.

Pesquisa
Você considera o crime organizado uma ameaça à estabilidade em seu país?
Ver resultados