Você gostaria de fazer do português o idioma padrão deste site?
2009-03-30

Bachelet anuncia subsídio ao emprego de jovens

Winston F. Burges

Como parte de um plano de estímulo fiscal para evitar os efeitos da crise internacional, a presidente do Chile, Michelle Bachelet, assinou uma lei para subsidiar as empresas que contratarem jovens em situação vulnerável.

TAMANHO DO TEXTO
O subsídio ajudará os jovens a obterem um emprego e também recompensará os empregadores que os contratarem.

O subsídio ajudará os jovens a obterem um emprego e também recompensará os empregadores que os contratarem.

SANTIAGO, Chile ― A presidente chilena Michelle Bachelet assinou a Lei de Subsídio ao Emprego de Jovens no dia 26 de março. Conforme o jornal La Nación, a lei beneficiará 300 mil jovens chilenos entre 18 e 25 anos que fazem parte da parcela dos 40% mais carentes entre a população do país.

O novo subsídio, que faz parte de um plano de estímulo fiscal anunciado pelo governo chileno no início do ano, representará 30% dos salários brutos anuais. Ele terá um teto anual de 576 mil pesos chilenos (US$ 980) por pessoa. O Chile.com informa que dois terços do subsídio serão pagos diretamente ao funcionário e 10% ao empregador.

O subsídio ajudará jovens trabalhadores e recompensar os empregadores que lhes oferecem empregos. Ele também será dado a mães entre 18 e 25 anos e jovens que combinam estudos superiores e trabalho.

Bachelet disse ao jornal El Mercurio que a nova lei foi uma das estratégias criadas pelo governo para minimizar os efeitos da crise financeira global em um dos setores mais atingidos da sociedade. Ela também destacou que, em vez de uma medida paliativa, trata-se de um plano permanente que continuará com o tempo.

Geralmente em situações excepcionais se tomam providências excepcionais, mas isto vai além, porque estamos aceitando a necessidade de responder ao (...) baixo nível de emprego entre os jovens, disse Bachelet, conforme uma reportagem no La Nación. Além disso, as condições de trabalho e os salários melhorarão e o setor privado será incentivado a contratar jovens e pagar-lhes bem, conclui.

A presidente também explicou que, para incentivar os jovens a não saírem da escola, o plano só estará aberto aos que tiverem terminado o Ensino Médio e o salário mensal não poderá superar 360 mil pesos (US$ 610). Bachelet espera que, no devido momento, o plano seja estendido a trabalhadoras adultas e outros setores.

A iniciativa faz parte de um plano geral de reforma trabalhista que busca criar novos empregos e proteger os existentes. O objetivo imediato é emprego, emprego, emprego e a proteção do trabalho dos chilenos, a ministra do Trabalho e Previdência Social, Claudia Serrano, disse ao La Nación.

Você gostou desta reportagem?

0

Incluir seu comentário

Pesquisa
Você considera o crime organizado uma ameaça à estabilidade em seu país?
Ver resultados