Você gostaria de fazer do português o idioma padrão deste site?
2012-03-12

Nos bastidores da Polícia Militar

Por Flávia Ribeiro para Infosurhoy.com — 12/03/2012

Reality show do AfroReggae sobre a rotina policial mostra o trabalho de dois sargentos combatendo o crime no Pará e no Rio de Janeiro.

TAMANHO DO TEXTO
Sgt. Silvano (à esquerda) e Sgt. Dantas são os protagonistas de “Papo de Polícia 2”, um reality show sobre a rotina policial no Pará e no Rio de Janeiro. (Cortesia do AfroReggae)

Sgt. Silvano (à esquerda) e Sgt. Dantas são os protagonistas de “Papo de Polícia 2”, um reality show sobre a rotina policial no Pará e no Rio de Janeiro. (Cortesia do AfroReggae)

RIO DE JANEIRO, Brasil – Uma arma na mão e uma bíblia na outra. Assim vive o sargento da Polícia Militar do Pará Silvano Oliveira, de 40 anos.

De manhã, ele carrega um fuzil e entra no Barreiro, uma das comunidades mais violentas da capital do Pará, Belém.

À noite, Silvano volta à mesma favela segurando uma bíblia, abre a Igreja do Evangelho Quadrangular Templo da Vitória e prega para os fiéis.

Mesmo quando o Sgt. Silvano vira o Pastor Silvano, ele não larga a pistola, que esconde sob o paletó, no bolso traseiro da calça.

“Há oito anos, pensei em abandonar a polícia”, diz Silvano, que faz parte da tropa de elite paraense, a Rotam (Ronda Tática Metropolitana). “Não entendia como poderia continuar a segurar uma arma e uma bíblia.”

O sargento decidiu continuar com a jornada dupla, mas trabalhava angustiado.

“Em 2009, fui chamado para fazer parte do grupo PMs de Cristo”, lembra. “Estudei, refleti e entendi que ser policial é também uma função sacerdotal.”

É assim, prendendo bandidos e pregando a palavra de Deus, que o sargento aparece no reality show brasileiro “Papo de Polícia 2”, que estreia em 12 de março, às 21h15m, no canal por assinatura Multishow.

O programa mostra o cotidiano de policiais em oito episódios, sete deles passados no estado do Pará e um na cidade do Rio de Janeiro.

A primeira temporada foi estrelada por um policial civil, Beto Chaves. Nesta segunda, Sgt. Silvano divide a cena com outro protagonista, Sgt. Sérgio Dantas, 44.

Na PM do Rio de Janeiro há 24 anos, Sgt. Dantas faz parte do Batalhão de Operações Policiais (Bope), grupo de elite que ganhou fama no cinema ao ser retratado nos filmes “Tropa de Elite” 1 e 2.

Nas horas vagas, ele é triatleta e maratonista.

Assim como Sgt. Silvano, Sgt. Dantas também teve dúvidas sobre a carreira policial.

“Numa operação no Morro do Cantagalo, na década de 90, eu estava na frente, quando um amigo pediu para trocar de lugar comigo. Ele argumentou que era mais velho e experiente, mas acabou sendo baleado. Tomou um tiro no meu lugar!”, lembra Sgt. Dantas. “Parei para pensar no que estava fazendo da minha vida. Mas, depois, vi que essa é a minha missão.”

INo último episódio, o único filmado no Rio, Sgt. Dantas sobe as ladeiras do Morro do Fallet, no bairro de Santa Teresa, região central da cidade, e enaltece as mudanças pelas quais aquela e outras comunidades vêm passando desde 2008, com a implantação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP).

Produzido pelo AfroReggae

A favela é um cenário bem familiar para a ONG que produziu o reality show, AfroReggae, que trabalha com jovens de comunidades carentes.

Todos os cinco câmeras que filmaram “Papo de Polícia 2” cresceram em favelas. Dois deles são ex-traficantes do Complexo do Alemão: Diego Santos, conhecido como Mister M., 26, e Juscelino Vitorino, 25.

Vitorino aparece chorando num dos episódios, depois de ouvir um comandante da PM do Pará falar sobre as dificuldades da vida. Na cena, o ex-traficante abraça o policial.

“Na véspera, eu tinha conversado com amigos no hotel sobre como tinha sido minha vida até ali e como ela estava mudando”, diz Vitorino. “Ao ouvir as palavras bonitas de um policial, me emocionei. Ele parecia meu pai falando comigo.”

Durante os 15 dias que passou no Pará, o câmera teve a oportunidade de conviver com o Sgt. Dantas. Os dois lembraram de confrontos do Bope com traficantes no Complexo do Alemão e chegaram a uma conclusão: já estiveram em lados opostos, trocando tiros.

Adrenalina e reflexão

O reality show alterna momentos de reflexão, como estes com Vitorino, com momentos de intensa adrenalina, como os que mostram Dantas e Silvano enfrentando sequestros, assaltos a banco e tráfico de drogas.

Eles participam até mesmo de uma operação com a polícia montada em búfalos, na Ilha de Marajó, no Pará. O batalhão da ilha é o único no Brasil que utiliza esses animais, ganhando assim agilidade nos terrenos alagados da região.

As duplas jornadas são uma curiosidade à parte, como no caso do soldado Ronald, que deixa a farda e pinta o rosto para assumir sua outra profissão, a de palhaço e malabarista.

Uma noite de violência

O coordenador do AfroReggae, José Júnior, estreou como diretor em “Papo de Polícia 2”.

“Não teve roteiro, não teve segredo. Nós saímos filmando tudo o que acontecia”, disse o diretor estreante, depois da exibição do programa para convidados na sede da ONG, na Lapa, no Centro do Rio, em 7 de março.

Ex-comandante geral das UPPs e atual chefe do Estado Maior administrativo da Polícia Militar, o Coronel Robson Rodrigues, 48, foi conferir a pré-estreia do “Papo de Polícia 2”.

“A proposta do programa é interessante porque, ao revelar os bastidores da ação policial, desmistifica uma série de questões envolvendo a polícia”, diz o coronel, que também é antropólogo. “O programa mostra o lado mais humano. E mostra como o trabalho do policial é difícil.”

Na mesma noite, enquanto o AfroReggae lançava o programa com festa na Lapa, a favela de Vigário Geral, onde a ONG tem um dos seus núcleos, foi invadida por traficantes da facção criminosa Comando Vermelho.

Vigário Geral tem sido dominada pela facção Terceiro Comando nos últimos anos, e a invasão foi uma mostra de que a situação continua pesada nas favelas que ainda não foram pacificadas.

Você gostou desta reportagem?

0

Incluir seu comentário

3 comentários

  1. Vanderlei Ferreira 10/01/2012

    Sou SARGENTO da Policia Militar do Paraná e achei muito interessante essa iniciativa..mas uma coisa é certa, cautela e prudência nunca foi demais em se tratando de lidar com bandidos...já fui ferido em serviço e senti na carne o que é isso..parabéns para nós : A POLÍCIA.

  2. jose santos pereira 03/28/2012

    muito bom,eu tambem uso armas e Biblia,é uma experiência gratificant,e Deus é Oniciente,Onipresent e Onipotente. Quero aderir ao papo de polica 2 TKS

  3. EDMUNDO JOSE SANTIAGO 03/22/2012

    DESEMPENHEI AS FUNÇÕES DE ESCRIVÃO DE POLICIA EM MINHA CIDADE POR DEZ ANOS. NUNCA EMPURREI SEQUER UM BÊBADO, PORQUE NUNCA PRECISEI ME DEFENDER NEM A OUTREM. MINHA MISSÃO ERA MAIS SOCIAL QUE POLICIAL, NUMA CIDADE QUE NÃO TINHA VIATURAS, INVESTIGADORES, NADA. SO EU O DELEGADO ,O CARCEREIRO E O DESTCAMENTO MILITAR. POLICIA TAMBEM É SER HUMANO E ÀS VEZES TAMBEM DESEMPENHA O PAPEL DE ASSISTENTE SOCIAL.

Pesquisa
Você considera o crime organizado uma ameaça à estabilidade em seu país?
Ver resultados