Você gostaria de fazer do português o idioma padrão deste site?
2010-05-07

Relatório: governo cubano e as FARC são os maiores inimigos da imprensa

Por Juan Pablo Rocamora para Infosurhoy.com — 07/05/2010

Segundo analistas, liberdade de imprensa na Venezuela diminuiu nos últimos 11 anos

TAMANHO DO TEXTO
Manifestantes protestam em favor do proprietário da rede de TV Globovisión, Guillermo Zuloaga, quando compareceu ao tribunal no ano passado. (Juan Barreto/AFP/Getty Images)

Manifestantes protestam em favor do proprietário da rede de TV Globovisión, Guillermo Zuloaga, quando compareceu ao tribunal no ano passado. (Juan Barreto/AFP/Getty Images)

WASHINGTON, D.C., EUA – O presidente cubano, Raúl Castro, e o grupo terrorista das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) são os maiores inimigos da liberdade de imprensa na América Latina, de acordo com relatório de Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

O relatório ainda afirma que os cartéis de drogas Sinaloa, del Golfo e Juárez são ameaça significativa à liberdade de imprensa no México, onde 62 jornalistas foram assassinados desde o ano 2000.

Vinte e cinco jornalistas estão atualmente presos em Cuba, e houve muito pouco avanço desde que o presidente Raúl Castro assumiu o poder em 2006, logo após a saída de seu irmão, Fidel, por motivos de saúde.

Cuba é o terceiro país mais repressivo no mundo contra os jornalistas, atrás respectivamente da China e do Irã, segundo a RSF.

Após a morte de Orlando Zapata Tamayo, oposicionista do governo cubano que morreu em fevereiro devido à greve de fome de 85 dias, o jornalista cubano Guillermo Fariñas iniciou a sua greve de fome para exigir a libertação de prisioneiros políticos e de jornalistas encarcerados pelo regime castrista. “Estou disposto a seguir com a greve de fome até às últimas consequências, inclusive até a morte”, disse Fariñas a Reuters. “Se ao final eles me deixarem morrer, isso configurará que o assassinato político faz parte da essência do governo desde 1959 até hoje.”

O jornalista independente Calixto Ramón Martínez Arias foi preso em 23 de abril enquanto cobria o evento em memória a Zapato Tamayo, de acordo com a RWB. “Isso é uma invenção criada para impedir meu trabalho e nem a polícia nem a promotoria pública podem concordar com essas mentiras que eles vão usar para me prender”, Martínez Arias disse.

Na Colômbia, as FARC sequestraram 50 jornalistas desde 1997 e ainda não permitem que jornalistas trabalhem em áreas onde operam, segundo os RSF. O grupo paramilitar de extrema direita Águilas Negras, que tem intimidado e ameaçado membros da imprensa desde 2006, também representa uma séria ameaça aos jornalistas.

O Instituto Prensa y Sociedad (YPYS) do Peru, Fundamedios do Equador, a Associação Nacional da Imprensa Boliviana e o capítulo da YPYS na Venezuela são associações latino-americanas que pertencem ao Grupo Andino Para a Liberdade de Imprensa (GALI). Recentemente, o grupo enviou uma declaração denunciando a censura à mídia na Venezuela.

A declaração se refere à prisão do ex-governador do Estado de Zulia, Oswaldo Álvarez Paz, acusado de incitar o povo e disseminar informações falsas. Paz, de 67 anos, compareceu a um programa local de notícias, dizendo que a Venezuela se tornou um ancouradoro para as drogas.

Por outro lado, o venezuelano Guillermo Zuloaga, proprietário da rede de TV Globovisión, foi detido depois de ser acusado de difamar o presidente Hugo Chávez. Ele foi libertado, mas está proibido de sair do país, já que as acusações continuam pendentes.

“Expressamos a nossa preocupação sobre a crescente censura à imprensa e à liberdade de expressão na Venezuela, assim como a intensificação do discurso político e das ações do governo que objetivam retratar a mídia como inimigos”, criticou o GALI em nota.

A liberdade de expressão na Venezuela tem se reduzido nos últimos 11 anos, afirma a diretora do Programa de Comunicação Social da Universidad de los Andes de Trujillo, Teresita Jiménez.

“Chávez interpretou erroneamente as leis ao fechar as instituições da mídia”, afirma Jiménez. “Nos últimos anos foram instauradas 150 ações contra os jornalistas. As pessoas devem ter consciência de que, quando um jornalista ou uma organização da imprensa é censurada, elas é que estão sendo vítimas da censura.”

Você gostou desta reportagem?

1Rating_no

Incluir seu comentário

1 Comentário

  1. alfredo valera 06/29/2011

    Pobres seres da RSF dá pena e lástima com suas mentiras manipuladas tentando burlar a inteligência coletiva dos homens e mulheres decentes que dia a dia observam sua descaração pobres homens sem virtude dá lástima os Judas da comunicação decente,,,,,,

Pesquisa
Você considera o crime organizado uma ameaça à estabilidade em seu país?
Ver resultados