Você gostaria de fazer do português o idioma padrão deste site?
2010-07-21

José Figueroa Agosto, suspeito chefão do narcotráfico, preso no Caribe

Por Andrés Gallardo e Olga Vélez para Infosurhoy.com—21/07/2010

Carlos Arias Cabral, paraguaio suspeito de tráfico de drogas, preso no Brasil.

TAMANHO DO TEXTO
A prisão de José Figueroa Agosto é um duro golpe ao tráfico internacional de cocaína, afirmaram as autoridades. (STR/AFP/Getty Images)

A prisão de José Figueroa Agosto é um duro golpe ao tráfico internacional de cocaína, afirmaram as autoridades. (STR/AFP/Getty Images)

WASHINGTON, D.C., E.U.A. – José Figueroa Agosto, um suspeito rei do narcotráfico cujo império é tão vasto, que ele é conhecido como o Pablo Escobar do Caribe, foi preso por autoridades federais norte-americanas em Porto Rico em 17 de julho, encerrando uma caçada humana de dez anos. As autoridades capturaram Figueroa enquanto ele fugia da polícia, que havia atirado nas rodas do seu jipe quando ele se negou a obedecer ordens para parar. "Nós lhe perguntamos o nome e ele simplesmente respondeu que sabia quem era", disse à Associated Press Antonio Torres, que lidera a força-tarefa do serviço de fugitivos U.S. Marshals em Porto Rico. Figueroa Agosto, 45 anos, é suspeito de traficar narcóticos da Colômbia para os Estados Unidos via Porto Rico. Em 1999, Figueroa Agosto escapou de uma prisão porto-riquenha usando um mandado de soltura falso depois de servir apenas quatro de uma sentença de 209 anos por matar um homem. Ele também evitou o cárcere na República Dominicana em 2001 usando um nome falso para convencer as autoridades a liberá-lo num posto policial. "Esse tem sido o maior desafio do governo dominicano", declarou à AP Rafael Guillermo Guzmán, chefe de polícia da República Dominicana. Figueroa Agosto é procurado na República Dominicana por acusações de homicídio, sequestro e drogas. Não se sabe a quantidade de cocaína que ele transportou ou quanto dinheiro ganhou, disseram as autoridades. Mas, quando as autoridades fizeram uma busca em uma de suas residências em setembro do ano passado, foram apreendidos US$ 4,6 milhões em dinheiro, vários automóveis e um laptop contendo amplos detalhes do seu império, o que permitiu às autoridades confiscar seis de suas propriedades. "Nós sabemos que os tentáculos do senhor Figueroa Agosto são longos", afirmou à AP Luis Fraticelli, agente especial responsável pelo FBI em Porto Rico.

Carlos Arias Cabral, paraguaio suspeito de tráfico de drogas, preso no Brasil

ASSUNÇÃO, Paraguai – Carlos Arias Cabral, considerado o maior traficante de maconha do Paraguai, foi preso no estado do Paraná. Arias Cabral, conhecido como "Líder Cabral", foi levado sob custódia durante a operação policial "Operação Liderança", que também resultou na captura de quatro dos seus familiares e de dois brasileiros, divulgou o Estadao.com. Arias Cabral é suspeito de transportar massivas quantidades de maconha do Paraguai para o Brasil. Autoridades brasileiras e paraguaias começaram a investigar Arias Cabral há um ano, mas ele passou os últimos meses vivendo na cidade argentina de Andresito, segundo o Estadao.com. Ele vinha disputando com o traficante Fernandinho Beira-Mar o controle das rotas de tráfico entre Paraguai e Brasil durante os últimos dez anos.

Membros de gangue mexicana matam três e ferem nove usando carro-bomba

CIUDAD JUÁREZ, México – La Línea, uma facção do temido cartel Juárez, é suspeito de usar um carro-bomba detonado por telefone celular que matou quatro numa cidade na fronteira com os Estados Unidos, informaram as autoridades. O primeiro carro-bomba usado na guerra do tráfico no país destruiu um cruzamento principal em Cuidad Juárez, que fica do outro lado da fronteira com El Paso, no Texas. As autoridades acusam o La Línea pela explosão, que o ministro da Segurança mexicano diz ter sido provocada como retaliação pela prisão de um membro do cartel de Juárez na semana passada. "Havia dez quilos de explosivos que foram ativados à distância por telefone celular", disse à Reuters Enrique Torres, porta-voz do exército em Ciudad Juárez. Imagens de TV mostraram destroços de um carro e de duas viaturas policiais que se incendiaram com a explosão. A bomba, que foi feita com plásticos explosivos C4, matou um policial, um médico, um membro da equipe de resgate e outro homem ainda não identificado. O La Línea colocou na rua um homem ferido vestido de policial, e depois que agentes da polícia federal chegaram para ajudá-lo, a bomba foi detonada, declarou em entrevista coletiva o prefeito de Ciudad Juárez José Reyes Ferris.

Você gostou desta reportagem?

0

Incluir seu comentário

Pesquisa
Você considera o crime organizado uma ameaça à estabilidade em seu país?
Ver resultados