Você gostaria de fazer do português o idioma padrão deste site?
2010-12-14

Peru proporciona educação bilíngue para indígenas

Por Pedro Hurtado Cánepa para Infosurhoy.com—14/12/2010

Governo investe mais de US$ 3 milhões por ano na iniciativa.

TAMANHO DO TEXTO
A professora Emma Franco Saldaña disse que é importante para os estudantes aprenderem sua língua nativa porque isso contribui para a preservação de sua identidade. (Pedro Hurtado Cánepa para Infosurhoy.com)

A professora Emma Franco Saldaña disse que é importante para os estudantes aprenderem sua língua nativa porque isso contribui para a preservação de sua identidade. (Pedro Hurtado Cánepa para Infosurhoy.com)

LIMA, Peru – O programa Educação Intercultural Bilíngue do Ministério da Educação do Peru visa assegurar que os estudantes indígenas e descendentes de indígenas, andinos e amazônicos, recebam educação em suas línguas nativas e em espanhol.

Heriberto Bustos Aparicio, diretor geral do Educação Intercultural, Bilíngue e Rural, disse que o programa atende 25% dos três milhões de estudantes que necessitam de educação bilíngue.

O programa, criado com base na Lei de Educação Geral nº 28044, foi implantado em 2003, durante o mandato do ex-presidente Alejandro Toledo Manrique.

Mas a lei deriva dos anos 70, quando o quíchua se tornou a segunda língua oficial do Peru, depois do espanhol.

Bustos Aparicio disse que seu departamento aloca anualmente US$ 2,1 milhões (R$ 3,5 milhões) para o projeto, mas o orçamento total do programa chega a US$ 3,1 milhões (R$ 5,2 milhões) porque recebe fundos adicionais de outros departamentos do Ministério da Educação.

“Existem limitações para o Educação Intercultural Bilíngue porque faltam professores e organizações regionais que possam supervisionar o processo educacional, já que o Ministério da Educação é um órgão regulador, não executivo", argumentou ele.

Bustos Aparicio adicionou mais uma dificuldade – que aos poucos vem sendo superada – que é o desinteresse dos pais em incentivar as crianças a serem educadas em suas línguas nativas.

No Peru, existem 43 línguas andinas e amazônicas, das quais apenas 13 foram normatizadas pelo Ministério da Educação, o que quer dizer que contam com um alfabeto e literatura disponível para estudo e pesquisa.

Os estudantes do programa Educação Intercultural Bilíngue precisam receber o mesmo ensino dos estudantes do sistema de educação regular básica do país.

Bustos disse que o programa abrange a pré-escola, para crianças de 3 a 5 anos, e o ensino fundamental, dos 6 aos 11 anos, Os professores dão aulas de acordo com um método elaborado para cada idioma nativo ensinado.

“O professor aplica a metodologia apropriada", disse Bustos Aparicio. “Se a comunidade fala quíchua, a primeira língua de instrução será o quíchua, e o espanhol será ensinado como segunda língua."

Educação na língua shipibo

“Foi o próprio povo shipibo que teve a ideia de criar uma escola bilíngue", disse Emma Franco Saldaña, uma das sete professoras da Instituição Educativa Comunidade Shipibo, no distrito de Rímac, província de Lima.

A escola tem 150 alunos de 3 a 9 anos, dos quais 41 fazem parte da comunidade shipibo residente na área.

Emma disse que a criação da escola foi discutida em 2003 mas só foi oficializada em 2007, com as aulas começando um ano depois.

A maioria dos 22.500 shipibos no Peru vive nas regiões de Loreto, Ucayali, Madre de Dios e Huánuco, de acordo com o censo realizado pelo Instituto Nacional de Estatística e Ciências da Informação (INEI) em 2007. O censo registrou um total de aproximadamente 333.000 pessoas vivendo nas comunidades indígenas naquele ano em todo o país.

“Só temos ensino até o terceiro ano, e é exatamente nessa série que existem mais crianças que precisam ser educadas em seu próprio idioma e aprender o alfabeto shipibo, que tem 19 letras", disse Emma.

A escola começou com jardim da infância e primeiro ano em 2008 e foi acrescentando uma série a cada ano. O período diário de aulas é de cinco horas para os mais novos e seis para os mais velhos. O currículo prevê uma hora de aula de shipibo por dia para todos os estudantes.

“É difícil aprender a língua shipibo,” disse Roberto Huayta Tamayo, aluno do terceiro ano, com 9 anos de idade. “É mais fácil falar do que escrever.”

Emma disse que um dos principais êxitos do programa é que seus estudantes, que falam, escrevem, recitam poesias e cantam na língua nativa, conseguem se integrar melhor na comunidade shipibo.

Ela acrescentou que é fundamental que o Ministério da Educação avalie os resultados do programa.

disse Emma. “Assim, podemos fazer as modificações e correções necessárias.”

Você gostou desta reportagem?

0

Incluir seu comentário

2 comentários

  1. LUIS MARQUEZ PINEDO 12/15/2010

    A língua Shipibo é mais uma língua no mundo, não é difícil, o problema é que nós professores do povo Shipibo não estudamos a estrutura gramatical da língua. Muitos de nós não sabem como soletrar, seus léxicos e outras coisas da língua Shipibo, linguisticamente. Sou professor bilíngue, pessoalmente posso dizer que nós somos professores sem estudo da língua e capacitação da visão mundial de nossos povos nativos.

  2. andrea 12/15/2010

    English is very important to business today I am very happy to see it is being taught because it is so important and it will help you get ahead and you will have the opportunity to get good work

Pesquisa
Você considera o crime organizado uma ameaça à estabilidade em seu país?
Ver resultados