Você gostaria de fazer do português o idioma padrão deste site?
2011-01-31

Venezuelanos em todo mundo protestam contra governo

Por Titina González, Miguel A. Rodríguez e Marta Escurra para Infosurhoy.com—31/01/2011

De Caracas a Madrid, manifestações anti-Chávez condenam ‘ditadura’ no país.

TAMANHO DO TEXTO
Venezuelanos se reuniram na estátua de Simón Bolívar em Washington, D.C. para protestar contra o governo do presidente Hugo Chávez em 23 de janeiro. (Marta Escurra para Infosurhoy.com)

Venezuelanos se reuniram na estátua de Simón Bolívar em Washington, D.C. para protestar contra o governo do presidente Hugo Chávez em 23 de janeiro. (Marta Escurra para Infosurhoy.com)

CARACAS, Venezuela – Milhares de pessoas se reuniram na capital venezuelana em 23 de janeiro para denunciar a administração do presidente Hugo Chávez, acusando-a de “ditadura”. A data coincide com o 53º aniversário da queda da ditadura de Marcos Pérez Jiménez, um dos homens fortes mais sanguinários da Venezuela.

Protestos similares aconteceram ao redor do mundo, incluindo Madrid, Cidade do México, Tegucigalpa, Miami, Nova York e Washington, D.C.

O presidente venezuelano refutou as acusações de ser um “ditador” em um comício contra as manifestações e pró-governo no mesmo dia.

“Eles me acusam de ser um ditador”, disse Chávez. “Devem ser loucos.”

“A última ditadura na Venezuela caiu em 6 de dezembro de 1998”, declarou ele, referindo-se ao dia em que foi eleito presidente pela primeira vez, acrescentando que “os venezuelanos me elegerão novamente em 2012.”

“A cada dia, haverá mais democracia na Venezuela – essa democracia que dá mais poder ao povo”, continuou ele. “A democracia é tão necessária ao socialismo quanto o oxigênio para os seres vivos.”

As inúmeras violações da Constituição venezuelana por parte do governo são a base para os protestos, justificou Félix Velásquez, porta-voz da ONG “Um mundo sem mordaças”, organizadora das manifestações.

afirmou Velásquez.

“Estou aqui para defender os prisioneiros políticos e aqueles perseguidos pelo governo”, disse Marlene Bethancourt, que participou do protesto em Caracas. “Não podemos permanecer em silêncio enquanto pessoas estão presas ou exiladas porque [o governo] não gostou do que fizeram ou contra o que protestaram.”

“O judiciário foi confiscado”, disse Sobella Mejías, ex-integrante do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) do país, que também participou do protesto em Caracas. “Não há autonomia dos poderes, por isso precisamos sair e lutar.”

O prefeito do distrito metropolitano de Caracas, Antonio Ledezma, e vários congressistas da oposição, incluindo Richard Blanco e María Corina Machado, também participaram das manifestações junto a milhares de pessoas na Avenida Francisco de Miranda.

“Os cidadãos precisam lutar pela liberdade, um direito que está vulnerável nesse país”, disse Blanco. “Eu exijo que o presidente Chávez pare de perseguir [adversários] políticos.”

Ao redor do mundo

Muitos venezuelanos que moram nos Estados Unidos juntaram-se aos protestos em várias cidades, incluindo Washington, D.C., onde se concentraram na estátua de Simón Bolívar e no S&T Triangle Park. Nas proximidades, cerca de doze integrantes da organização de esquerda salvadorenha Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN, um grupo guerrilheiro nos anos 80, hoje partido político) se reuniram em apoio ao governo venezuelano.

“Eu sou salvadorenha, vivi em tempos de guerra, vivi sob uma ditadura, fui perseguida, vi muitas pessoas morrendo ao meu lado por protestarem. De que ditadura a oposição venezuelana está falando?”, questionou Sonia Umanzor, uma ativista e simpatizante da FMLN que estava entre os salvadorenhos no protesto de Washington, D.C..

“Somos contra as mais recentes decisões de Chávez, incluindo a lei de decretos, restrições à propriedade privada e violações de direitos humanos", disse Juan Pío Hernández, 25 anos, chefe da filial de D.C. da “Um mundo sem mordaças". “Estamos aqui para comemorar essa data e também para pedir o fim da… ditadura na Venezuela.”

A multidão, composta principalmente de jovens venezuelanos, estava entusiasmada e barulhenta, sem medo das baixas temperaturas.

“Tive que deixar a Venezuela muito jovem”, disse Daniela Bustillos, uma estudante de ensino médio de 17 anos em Alexandria, Virgínia. “Deixei a Venezuela por causa de tudo que estava acontecendo. Não há liberdade de expressão, e estou aqui lutando para que o meu país volte a ser como era.”

No parque El Retiro, em Madrid, cerca de 200 manifestantes se concentraram na estátua que homenageia o poeta venezuelano Andrés Eloy Blanco, exigindo que Chávez seja retirado do poder para que a “liberdade” possa ser restaurada na Venezuela.

Os manifestantes exigiram “o [retorno] dos direitos fundamentais e da liberdade… na Venezuela”, disse Luis Barreiro, presidente da ONG Plataforma Democrática Venezuelana em Madrid.

“Nós não queremos um confronto nacional. Queremos apenas que esse sequestro [das liberdades] pare. Pois é isso que somos: reféns do governo”, denunciou Williams Cárdenas, vice-presidente da Plataforma Democrática.

Em Nova York, venezuelanos e cubanos se reuniram em frente à estátua equestre de Simón Bolívar no Central Park para protestar contra as novas medidas dando poderes absolutos ao presidente. A consulesa da Venezuela em Nova York, Carol Delgado, conversou com os manifestantes e com um pequeno grupo de venezuelanos que apoia Chávez.

Você gostou desta reportagem?

2Rating_no

Incluir seu comentário

9 comentários

  1. ISABEL 06/26/2012

    vocês venezuelanos imundos, não devem ter direitos, pois vocês fugiram do meu país, Deus sabe por que e se vocês estivessem aqui na minha linda Venezuela, como se diz, pessoas como você não deveriam poder contribuir com nenhum tipo de informação, nem mentiras como sempre fizeram, recomendo que vocês calem a boca porque de qualquer forma, vocês já não moram neste belo país então calem-se e morram calados espero que não tenham permissão para votar na próxima eleição já que não estão mais aqui, não têm nenhum status como venezuelanos, vocês são um bando de covardes

  2. Tacuave 06/17/2012

    na \"DITADURA\" venezuelana... um judeu pode ser eleito presidente. Na "democracia\" israelense, os árabes ou samaritanos só podem chegar a ser deputados... São impedidos de se candidatar a presidente.

  3. TEODORO JLIAN DIAZ 05/19/2012

    POBRE GENTE QUE DIZ QUE NA VENEZUELA HÁ DITADURA, COMO NUNCA VIVERAM A DITADURA DE PEREZ JIMENEZ POIS NÃO MORAVAM NA VENEZUELA, POR ISSO DIZEM O QUE DIZEM. HORDAS DE BUROCRATAS. ISSO É O QUE SÃO.

  4. el guaro 11/26/2011

    com meu comandante Chávez até 2031, doa a quem doer

  5. Paulus 07/10/2011

    Pois sim, é certo.... e eu digo eu que vivo em uma dessas cidades mencionadas, a capital do país que deu um duro revés ao louco HUGO e me refiro a Tegucigalpa, onde esse cavalheiro jamais se imaginou que de ali se originaria sua derrota, quando desbancamos a seu presidentinho títere ridículo do Manuel Zelaya ...quem acreditaria nesse louco, pensaria que nessa nação por ser pequena e não ser potência íamos a fazer o que ele pedia em troca de uma dezena de tratores podres que trouxe e alguns milhões de lâmpadas elétricas que de nada servem... Então o que digo é verdade que no mundo protestamos contra esse tolo ignorante. Além disso, quero contra que minha ex-namorada mora no Texas e é venezuelana e também ela assistiu um protesto contra seu governinho. Fizeram outros em Atlanta, San Pedro Sula, na Colômbia e muitos outros países mais. Pobre senhor me dá pena que haja desenvolvido câncer mas essa doença se desenvolve normalmente em pessoas que estão cheias de ódio e intrigas, que faça o que quiser na Venezuela mas que não queira vir aqui a governar-nos... talvez ele tenha quem o apoie mas é certo que constantemente no mundo nos reunimos a protestar contra ele. Desejo o melhor para o mundo PAULUS

  6. roberto 05/25/2011

    É comum que os pseudossocialistas se voltem à ofensa. Se é tal paraíso como creem porque não emigram em massa para Cuba ou China, ou o fizessem para os países do desaparecido bloco socialista europeu. Os incapazes, os preguiçosos, os que querem viver às custas do esforço dos outros são os que em massa defendem ou apoiam esses aprendizes de ditador ou ditadores plenos. Estudem, trabalhem, desenvolvam suas possibilidades e então se continuar igual latam.

  7. ccamargo 03/03/2011

    Os que se reúnem nas capitais do mundo para protestar contra o comandante Chávez são delinquentes e corruptos que saquearam o tesouro público e estão fugindo da justiça e do povo que espera para que prestem contas. Porque não vêm protestar aqui nas ruas de Caracas e são covardes que vão para as capitais de países foragidos que os protegem e lhes servem de guarida.

  8. rafael 02/07/2011

    QUEM ACREDITA QUE NA VENEZUELA HÁ SEPARAÇÃO DE PODERES... LEIA A CONSTITUIÇÃO NACIONAL ARTIGO 200... ENTÃO O QUE OCORRE COM MASUCO. EU VOTEI AMPARANDO-ME NO DITO AERTIGO E ENTÃO... O QUE HOUVE..

  9. darlin arana 02/02/2011

    Esse artigo é falso de toda a falsidade. É tudo ao contrário, se reuniram nas principais cidades de vários países do globo terrestre para dar apoio ao comandante Chavez, presidente da república bolivariana da Venezuela em comemoração aos 12 anos da chegada de nosso presidente ao poder outorgado legitimamente pelo povo em eleições democráticas que ganhou com maioria. Continuem mantendo o respeito com o que acontece na Venezuela "Até a vitória, sempre"

Pesquisa
Você considera o crime organizado uma ameaça à estabilidade em seu país?
Ver resultados