Você gostaria de fazer do português o idioma padrão deste site?
2011-07-19

Livreiro do Alemão espalha literatura nas favelas cariocas

Por Nelza Oliveira para Infosurhoy.com – 19/07/2011

Otávio César Júnior criou a primeira biblioteca para crianças dos complexos da Penha e do Alemão.

TAMANHO DO TEXTO
Otávio César Júnior, o “Livreiro do Alemão”, que acaba de fundar a primeira biblioteca infanto-juvenil para os complexos do Alemão e da Penha: “Trabalho para que as crianças não se envolvam com a criminalidade. Com a leitura, eu dou uma opção de novas possibilidades e perspectivas para o futuro delas.” (Renzo Gostoli/Austral Foto para Infosurhoy.com)

Otávio César Júnior, o “Livreiro do Alemão”, que acaba de fundar a primeira biblioteca infanto-juvenil para os complexos do Alemão e da Penha: “Trabalho para que as crianças não se envolvam com a criminalidade. Com a leitura, eu dou uma opção de novas possibilidades e perspectivas para o futuro delas.” (Renzo Gostoli/Austral Foto para Infosurhoy.com)

RIO DE JANEIRO, Brasil – "Na entrada de cada comunidade, há locadoras de DVDs cheias de novidades pirateadas e lan houses.(...) Nos postes, dá para ver as ligações clandestinas de TV a cabo. É assim que as crianças passam seu tempo livre por aqui."

Mas as histórias narradas – e vividas – pelo protagonista e autor de “O Livreiro do Alemão", de onde foi extraída a descrição acima, já estão transformando esse cenário.

Apaixonado por livros, Otávio César Júnior, de 27 anos, decidiu compartilhar o sentimento com as crianças da Vila Cruzeiro, uma das 10 favelas que integram o Complexo da Penha, na Zona Norte do Rio de Janeiro, e do vizinho Complexo do Alemão, conjunto de outras 15 favelas.

Há três meses, na parte mais alta da Vila Cruzeiro, onde César Júnior nasceu e cresceu, ele inaugurou a primeira biblioteca para crianças da região.

Os dois complexos eram conhecidos como os mais violentos do Rio. A situação só começou a mudar na região em novembro de 2010, quando, em uma operação histórica, as Forças de Segurança do Rio de Janeiro, com o apoio das Forças Armadas, livraram os moradores de mais de 20 anos de domínio do tráfico nas duas áreas.

A biblioteca fundada por César Júnior é simples: tem um computador, duas estantes, três pufes e um acervo de 1.000 livros infanto-juvenis e histórias em quadrinhos.

César Júnior admite que o tráfico é a referência de mundo adulto para a maioria dos jovens que moram nos morros do Rio.

“Trabalho para que as crianças não se envolvam com a criminalidade”, explica. “Com a leitura, eu dou uma opção de novas possibilidades e perspectivas para o futuro delas.”

César Júnior mal havia sido alfabetizado quando a leitura tornou-se uma paixão.

Aos 8 anos, ao contornar o campinho de futebol da favela, César Júnior viu uma caixa cheia de brinquedos quase novos em meio ao depósito de lixo que cercava o local. Ao dar um grito de surpresa ante o achado, ele atraiu outros garotos.

Na disputa com os maiores, César Júnior só conseguiu pegar um livro infanto-juvenil intitulado “Don Gatón”.

Naquela noite, uma chuva forte deixou o morro sem energia elétrica. Sob a luz de duas velas que iluminavam a casa de um único cômodo que César Júnior dividia com os pais e a irmã mais nova, ele começou a folhear o livro para passar o tempo.

O menino não conseguiu mais largar o livro. César Júnior passou uma semana lendo e relendo o exemplar.

Na busca de outros livros, César Júnior começou a pegar emprestado títulos de vizinhos e da escola.

O garoto envolveu-se tanto com a leitura que, na adolescência, decidiu que seria escritor.

César Júnior escrevia e enviava suas histórias para editoras. Ao mesmo tempo, tomou gosto pelo teatro na escola.

Aos 16 anos, César Júnior montou e escreveu sua própria peça de teatro. Fazia apresentações nas escolas e cobrava R$ 1 por ingresso.

“Tinha a agenda cheia”, lembra.

Mas as editoras não se interessavam pelos seus textos, o que mudou em 2003, quando César Júnior encontrou uma gráfica que aceitou imprimir gratuitamente 100 exemplares de uma de suas histórias.

Ele então passou a ler seu próprio livro para crianças nas escolas, onde também conseguia vender alguns exemplares.

“Estava feliz montando as peças e vendendo os livros, mas sentia vontade de fazer mais pelas crianças da comunidade”, conta.

Em 2004, César Júnior encheu a mochila de livros, pegou um tapete e procurou um lugar movimentado na favela. Ele usou o tapete para forrar o chão, tirou os livros da mochila e chamou a criançada para ouvir as histórias.

A contação de histórias em meio ao vaivém das favelas dos complexos da Penha e do Alemão virou rotina duas vezes por semana.

“Em média, 30 crianças participavam das sessões em associações de moradores, praças, escolas e sedes de ONGs.”, descreve.

Muitas crianças tiveram com César Júnior o primeiro contato com a literatura

Em 2006, ele ganhou R$ 10.000 numa competição de um programa de televisão. A primeira coisa que fez com o dinheiro foi registrar oficialmente o nome “Ler é 10 – Leia favela” para o projeto de incentivo à leitura que vinha desenvolvendo.

Com o resto do prêmio, ele comprou computador, impressora e câmera digital para montar o blog do projeto.

E foi então que César Júnior começou a atrair cada vez mais interessados em seu trabalho.

“Vários amigos ajudaram”, acrescenta.

César Júnior também conseguiu o apoio do Instituto Kinder do Brasil e da Associação dos Agentes Fornecedores de Equipamentos e Insumos para a Indústria Gráfica (Afeigraf) para montar a biblioteca na Vila Cruzeiro.

Além dos livros, o local tem sessões de contação de histórias, cineminha literário (exibição de filmes adaptados de livros), teatro de fantoches e lanchinho literário. Para dar conta de tantas atividades, César Júnior também está treinando dois monitores.

O marceneiro Edmilson de Oliveira Feitosa, 57, que indicou a César Júnior o local onde foi montada a biblioteca, diz que gostaria de ter conhecido uma iniciativa como essa na infância.

Feitosa lembra que, aos 14 anos, procurou por conta própria um colégio e concluiu o ensino fundamental.

“Não tive a chance de estudar”, conta. “Meu pai era analfabeto, e minha mãe mal sabia assinar o nome. É muito bonito o trabalho do Júnior e muito bom para a criançada.”

Em 2008, César Júnior recebeu o Prêmio Faz Diferença, do jornal O Globo. A premiação homenageia cidadãos cujo trabalho ajuda a melhorar o país.

Realizado com a publicação do primeiro livro e a instalação da biblioteca, o “Livreiro do Alemão”, como ficou conhecido, tem planos ainda mais ousados para o futuro.

“Quero formar não só leitores, mas pensadores na favela”, antecipa. “Vamos formar uma família de educadores.”

Você gostou desta reportagem?

0

Incluir seu comentário

2 comentários

  1. María Angélica Diez 08/07/2013

    Oi: Eu preciso do e-mail ou do Facebook ou alguma maneira de contatar Octavio Junior para convidá-lo para um evento. Poderiam me dar alguma informação? Muito obrigada. María Angélica

  2. Guillermo Alfaro 07/22/2011

    QUE LINDO GESTO ESSE LIVREIRO, SEM LUGAR A DÚVIDAS É UM GRANDE MENTOR.

Pesquisa
Você considera o crime organizado uma ameaça à estabilidade em seu país?
Ver resultados