Você gostaria de fazer do português o idioma padrão deste site?
2011-07-12

Jair Jurrjens brilha no Atlanta Braves

Por Will Hammock para Infosurhoy.com—12/07/2011

Arremessador de Curaçao é nomeado para time All-Star da Liga Nacional.

TAMANHO DO TEXTO
O curaçoense Jair Jurrjens foi indicado pela primeira vez para o time All-Star depois de liderar a Liga Nacional em média de corridas merecidas (1,87) e vitórias (12) durante a primeira metade da temporada. (Mike Cassese/Reuters)

O curaçoense Jair Jurrjens foi indicado pela primeira vez para o time All-Star depois de liderar a Liga Nacional em média de corridas merecidas (1,87) e vitórias (12) durante a primeira metade da temporada. (Mike Cassese/Reuters)

ATLANTA, EUA – Provavelmente, esta foi a melhor negociação que o Atlanta Braves, da Linga Principal de Beisebol, já fez.

Em outubro de 2007, o time do Braves negociou o interbases Edgar Rentería, de Barranquilla, Colômbia, com o Detroit Tigers em troca de Gorkys Hernández e de um jovem arremessador destro chamado Jair Jurrjens.

Hernández já não é mais do Braves, mas o time nem cogita a hipótese de se desfazer de Jurrjens tão cedo.

Jurrjens, nascido em Willemstad, Curaçao, surgiu como um dos melhores arremessadores do esporte, sendo nomeado para o time All-Star desta temporada. Ele representará a Liga Nacional contra a Liga Americana no Midsummer Classic, em Phoenix, estado do Arizona, em 12 de julho.

O atleta de 25 anos lidera a Liga Nacional em média de corridas merecidas (1,87) e vitórias (12), e seu desempenho tem sido tão bom que ele quase foi nomeado titular da Liga Nacional para o Jogo All-Star.

Mas o dirigente Bruce Bochy preferiu o veterano Roy Halladay, do Philadelphia Phillie, que lidera a Liga Nacional em entradas arremessadas (143 1/3 entradas) e jogos concluídos (seis), e está em segundo lugar em eliminações (138).

“JJ tem sido fantástico”, disse o receptor Brian McCann, que já participou seis vezes do All-Star. “Ele tem sido tão bom quanto qualquer outro arremessador no beisebol.”

Em 2008 e 2009, Jurrjens venceu 27 jogos no total, mas sua ascensão ao estrelato sofreu uma derrapagem na última temporada, ao ser prejudicado por lesões no tendão e joelho que dificultaram sua vida em 2010, quando ele obteve 7 vitórias e 6 derrotas, com uma média de corridas merecidas de 4,64.

Mas sua recuperação permitiu que ele retomasse a posição de destaque nesta temporada jogando pelo Braves, que chega ao All-Star com uma marca de 54 vitórias e 38 derrotas, apenas 3 ½ jogos atrás do primeiro colocado, Philadelphia (57 vitórias e 34 derrotas) na Divisão Leste da Liga Nacional.

Jurrjens, que mantém uma casa de férias em Curaçao, sentou-se recentemente com o Infosurhoy.com no vestuário do Turner Field – o estádio do Braves – durante a sequência de jogos do time contra o Colorado Rockies na semana passada.

Infosurhoy: O que significaria para você ser titular do jogo All-Star da Liga Nacional? O Braves não tem um arremessador titular desde Greg Maddux em 1997.

Jurrjens: Seria uma enorme honra, especialmente levando-se em conta os talentosos arremessadores que há nessa liga. Certamente, temos alguns dos melhores arremessadores de toda a liga, caras como Doc (Roy) Halladay. Estou procurando não pensar nisso, mas teria sido uma honra ser nomeado titular. Mas estou honrado de fazer parte do jogo.

Infosurhoy: Você saiu de 14 vitórias em 2009 para 7 vitórias e 6 derrotas no ano passado e, agora, está tendo o melhor ano de sua carreira. O que exatamente você faz para se tornar um dos principais arremessadores do esporte?

Jurrjens: Para mim, me manter saudável – isso é o mais importante. Tudo fica mais fácil quando você não se preocupa com onde vai doer quando você lança a bola. Isso permite que você se concentre mais no rebatedor e que se divirta em campo.

Infosurhoy: Enquanto crescia, o que você sabia sobre seu compatriota e cinco vezes All-Star Andruw Jones? Ele serviu de exemplo no seu país?

Jurrjens: Eu o conheço desde criança. Ele jogou com meu irmão na seleção nacional. Ele abriu portas para mim e para muitos outros jogadores de beisebol de Curaçao. Ele realmente foi o embaixador de todos os demais jogadores do meu país. É muito difícil colocar em palavras o que ele fez pelo povo de Curaçao.

Infosurhoy: A carreira de Andruw se aproxima do fim. Você pensa em tomar o lugar dele como exemplo para os jovens de seu país?

Jurrjens: Estou tentando abraçar a causa e colocar Curaçao no mapa. Busco representar meu país da melhor maneira possível. Espero estar fazendo um bom trabalho pelo povo da minha terra. Tomara que eu consiga ser um bom exemplo para os jovens jogadores de lá.

Infosurhoy: Como jogar beisebol nos EUA permitiu que você ajudasse sua família em Curaçao, levando-se em conta que você vai faturar US$ 3,25 milhões (R$ 5,1 milhões) este ano?

Jurrjens: Pude realizar uma competição entre celebridades para arrecadar fundos para crianças com deficiências. Procuro não ir muito longe, muito rápido. Eu tento realizar alguns eventos menores aqui e ali para arrecadar fundos para ajudar a comunidade da melhor maneira possível. Ajudá-los significa muito para mim. É de onde eu vim e quero ajudar todos lá.

Infosurhoy: De onde você tira inspiração?

Jurrjens: Para mim, de minha família. Sou um homem de família e estou sempre pensando neles.

Infosurhoy: Qual é o seu maior arrependimento?

Jurrjens: Não tenho nenhum. Estou feliz com tudo o que fiz. Consegui fazer o que queria fazer. Não creio que tenha um arrependimento. Me arrependo de ter que sentar ao lado do (colega titular do Braves) Brandon Beachy no vestuário agora (risos). Só isso. Não tenho outros arrependimentos.

Infosurhoy: Se você pudesse jantar com quatro pessoas, vivas ou mortas, quem escolheria?

Jurrjens: Minha vó, com certeza, porque ela cuidou de mim. Ela não teve a oportunidade de me ver crescer e me tornar um jogador de beisebol. Ela é especial para mim. Ela com certeza seria uma delas. Eu diria minha família. Minha família é tão grande que dá para preencher os quatro lugares facilmente. Sou uma pessoa de família.

Infosurhoy: O que você tem de mais valor?

Jurrjens: Um objeto? Eu diria minhas conchas puka. Sempre uso minhas conchas puka (o colar que Jurrjens usa constantemente, até quando está jogando). Elas estão em uma caixa ali. Acabei de comprar umas novas. Me faz lembrar de onde eu vim e mantém minha humildade.

Infosurhoy: Do que mais sente falta de Curaçao quando está aqui?

Jurrjens: Tudo – minha família, meus amigos e as praias. Me sinto à vontade lá e estou cercado de pessoas que me amam. É um excelente lugar para mim. Sempre me divirto lá.

Você gostou desta reportagem?

0

Incluir seu comentário

Pesquisa
Você considera o crime organizado uma ameaça à estabilidade em seu país?
Ver resultados